20 de jan de 2017 by Alessandro Crivelaro 0 comentários
 O Canto do Bem-te-vi está em manutenção e atualização, dentro de poucos dias estaremos com novos artigos e um novo layout.
26 de dez de 2016 by Alessandro Crivelaro 0 comentários

The Pororoca Phenomenon

10 de jan de 2016 by Alessandro Crivelaro 0 comentários
video

To see the video in full click the link below:
(para ver este vídeo na íntegra clique no link abaixo)
http://ocantodobemtevi.blogspot.com.br/2007/02/nature-video-pororoca-phenomenon.html

Bicicletas de bambu na China

18 de dez de 2015 by Alessandro Crivelaro 0 comentários

Sustentabilidade & Energia


Bicicletas de bambu  feitas por estudantes na cidade de Pequim na China (foto China Daily).
  A China é um país onde a poluição está cada vez mais se tornando um grande problema para o meio ambiente. Os chineses sempre procuram maneiras de melhorar um pouco as cidades e torná-las mais sustentáveis. 
Para se livrarem do trafico e da poluição, os chineses cada vez mais usam as bicicletas como alternativas para esses problemas. Agora o interessante é que as bicicletas que estão sendo muito procuradas por lá são as bicicletas feitas de bambu. Em Pequim, mais e mais  pessoas estão interessadas neste tipo de  bicicletas , que são construídos por artesãos, além disso são  acima de tudo, muito ecológica. 
Outro fato interessante é que muitos estudantes frequentam  oficinas e constroem suas próprias bicicletas  e até vão para as escolas com elas.
As bicicletas de bambu  possuem boas características que podem ser o diferencial , comparado as convencionais, pois  elas ao completarem sua vida útil, podem voltar para a natureza, porque é algo orgânico é completamente biodegradável. 
Existe inclusive uma empresa chamada BambooBee que criou a primeira bicicleta de bambu do mundo que pode até ser feita em casa. Criada pelo engenheiro chinês Sunny Chuan, é comercializada pela internet. 
Na China é assim, a bicicleta não é somente uma alternativa aos grandes meios de transporte é uma espécie de modo de vida, uma tradição cultural.

 Referências: 
Cycling around Beijing on a bamboo bike.English. Gov.Cn. Acesso em: http://english.gov.cn/news/photos/2015/07/24/content_281475153253193.htm
Constrói a tua própria bicicleta. Noctula channel. Acesso em: http://noctulachannel.com/bicicleta-de-bambu/#!prettyPhoto/0/
 Bicicletas de bambú, la última moda en China. Ecologia blog. acesso em: http://www.ecologiablog.com/post/27028/bicicletas-de-bambu-la-ultima-moda-en-china

Expedição Abrolhos

12 de mai de 2015 by Alessandro Crivelaro 4 comentários

 Man and Nature (Videos)

"Expedição Abrolhos" is a short documentary about the first National Marine Park of Brazil. The richness of its flora and fauna and the best known shipwrecks in the region are in this adventure full of beautiful pictures and stories.
Located 70km from Caravelas, Bahia, the archipelago has unique coralline formations and a huge variety of underwater life.

  • Áudio em Português
  • Sem legenda
DOCUMENTÁRIO "EXPEDIÇÃO ABROLHOS"
Direção: Márcio Miranda e Érico Cazarré
Dir. Fotografia: Érico Cazarré, Márcio Miranda e Kioshi Chayamiti
Dir. Fotografia Subaquática: Adrian Martino
Produção Executiva: Cid Faria, Cláudia Gomes e Alexandre Máximo
Produção: Renato Santoro
Montagem e finalização: Márcio Miranda e Érico Cazarré

Jaçanã do norte é a ave com os dedos mais longos

27 de abr de 2015 by Alessandro Crivelaro 0 comentários

 Animais incríveis

http://www.birdquest-tours.com/galleryImages/ai_1272853736141.jpg
Jaçanã do norte(Jacana spinosa)
A jaçanã do norte (Jacana spinosa) tem um corpo marrom escuro com uma cabeça e pescoço preto, com 23 cm de altura e dedos surpreendentes, com 11,5 cm de largura e 14 cm de comprimento. Para se ter uma ideia de comparação, é como se um homem de 1,80 m de altura tivesse pés com 90 cm de largura e 1,10 m de comprimento.
Esta bela ave habitante do México e América Central é chamada de “pássaro de Jesus Cristo” por causa de sua habilidade em andar sobre as águas. Os seus dedos longos lhes permitem caminhar sobre a vegetação flutuante nas lagoas rasas, que são o seu habitat preferido. Assim, ela passa parte de sua vida em regiões alagadiças, sem a concorrência de outras aves que não têm pés tão grandes quanto os seus.
A jaçanã do norte se alimenta de insetos na superfície da vegetação, caracóis, vermes, pequenos caranguejos, peixes, moluscos, e sementes.
Outra curiosidade desse animal é que esta ave vive em uma sociedade poliândrico, ou seja, a fêmea tem vários parceiros, em média uns quatro machos, que ocupam diferentes territórios. No período reprodutivo a fêmea copula diversas vezes com todos eles, e depois que põe os ovos, ela escolhe um dos machos, e este cuidara dos ovos e dos filhotes quando nascerem. Além disso, o macho também defenderá os filhotes de qualquer ameaça.
 Referências:
CARWARDINE M. Natureza Radical: o livro dos recordes das plantas e dos animais; tradução de Márcia Frazão. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007. 
Northern Jacana (Jacana spinosa). Birds.com. Disponível em: http://www.birds.com/species/k-o/northern-jacana/. Acesso em 25 de Abril de 2015

O uso da vermicompostagem na agricultura

by Alessandro Crivelaro 0 comentários


 Campo Ecológico

https://cdn.americanprogress.org/wp-content/uploads/issues/2011/01/img/ebg_011911_onpage.jpg
Vermicompostagem
Uma pratica excelente de correção e manejo adequado ao solo, principalmente em pequenas propriedades, é o uso de compostagem, entre elas destaca-se a vermicompostagem, que é o composto produzido na forma de coprólitos de minhocas, ou húmus de minhoca.
Embora a compostagem seja uma prática antiga, a vermicompostagem foi desenvolvida mais recentemente e tem despertado muito interesse por ser uma tecnologia de baixo custo e facilmente adaptável à pequena produção.(AQUINO, et al., 1997).
No meio urbano tem se visto uma crescente demanda desta prática, e Cuba segue essa tendência, pois são produzidos milhões de toneladas de húmus de minhocas em todo país por ano.
Existem dois grupos de minhocas que podem ser utilizadas com esta finalidade, as espécies Eisenia foetida e Eudrilus eugeniae, conhecidas, respectivamente, como minhoca-vermelha-da-califórnia e minhoca-de-esterco ou minhoca-noturna-africana, são amplamente utilizadas na vermicompostagem, porque além de alimentarem-se de resíduos orgânicos semicrus, têm alta capacidade para proliferarem e apresentam crescimento muito rápido (NEUHAUSER et al., 1979, 1980;)
É mais comum a utilização da minhoca californiana (Eisenia foetida), assim chamada porque foram os agricultores deste estado norte-americano que começaram a criá-la comercialmente. A sua vantagem em relação à minhoca-noturna-africana é por adaptar-se melhor ao cativeiro.
Outra coisa importante sobre as minhocas é que elas são hermafroditas, o que significa que cada indivíduo apresenta órgão reprodutor masculino e feminino. No entanto, necessitam de dois indivíduos para que ocorra a reprodução.
A qualidade nutricional do resíduo orgânico também é importante, influenciando a taxa de alimentação das minhocas. O substrato adequado para as minhocas possibilita que possam ingerir ¼ do seu próprio peso diariamente (HARTENSTEIN, 1981).
O esterco bovino representa boa fonte de alimentos para as minhocas, e para elaborar um resíduo de qualidade e de baixo custo o ideal é misturar o esterco bovino com outros materiais, como por exemplo, o bagaço de cana-de-açúcar, estudos mostram que o bagaço promove maior número de minhocas jovens e sobrevivência das adultas do que em esterco bovino puro (AQUINO et al., 1994).

Como se faz o canteiro?
 Para produzir a vermicompostagem para ser utilizado pelo próprio agricultor, deve se partir do material mais simples possível. No máximo algumas tábuas velhas que servem para escorar o material, evitando que este se espalhe muito.
Considerando-se que as minhocas utilizadas se deslocam preferencialmente
na horizontal, os canteiros devem ter no máximo 40 cm de altura. O comprimento pode variar em função da disponibilidade do material e a largura deve ter no máximo de 1 m, para facilitar o manejo do canteiro. Os canteiros devem ter drenagem, ou seja, escoamento de água suficiente para que a mesma não se acumule no fundo.
Por último coloca-se palha seca, espera alguns dias para aquecer e começar a esfriar e, então, se espalham as minhocas. A cobertura de palha é importante porque a minhoca não gosta de luz, e precisa ser protegida da incidência direta do sol.
Além do uso de palha, pode ser usado também telhas de amianto, plástico, sapé, folha de bananeira ou outros materiais disponíveis, e tem por fim evitar o excesso de água da chuva, que acarreta na lixiviação de alguns nutrientes do substrato.

 
Preparo do canteiro.

Como se usa a vermicompostagem e quais as suas principais características?
 O "húmus" é facilmente reconhecido pelo seu bom aspecto e odor: É como "terra de mato". Para o uso cotidiano do agricultor não é necessário secar ou peneirar. O material pode ser levado ao campo ainda que não esteja completamente digerido pelas minhocas. O agricultor não deve se preocupar se algumas minhocas forem levadas juntamente com o material.
O húmus representa excelente condicionador do solo, favorecendo especialmente a melhoria das propriedades físicas do solo (agregação das partículas do solo, infiltração de água, etc.).
Entretanto, o processo de vermicompostagem altera quantitativamente e qualitativamente a composição das substâncias húmicas dos materiais orgânicos, favorecendo a formação da matéria orgânica estabilizada, tornando a mineralização mais lenta e a liberação de nutrientes mais gradual (ALMEIDA,1991), não atendendo à expectativa de quem busca a aplicação do vermicomposto apenas para o rápido fornecimento de nutrientes.
Por sua vez, devido ao elevado conteúdo de hormônios de crescimento vegetal, enzimas e microrganismos, aumenta a produção e o vigor das plantas, principalmente de hortaliças (TOMATTI et. Al., 1987).
  Referências:
ALMEIDA, D. L. de. Contribuição da matéria orgânica na fertilidade do solo.1991. 188p. Tese (Doutorado)– Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Itaguaí, RJ, 1991.
AQUINO, A. M. de. Agricultura urbana de Cuba: análise de alguns aspectos
técnicos. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2002. 25 p. (Embrapa Agrobiologia.Documentos, 160).
AQUINO, A. M. de; ALMEIDA, D. L. de; FREIRE, L. R.; DE-POLLI, H. Reprodução de minhocas (Oligochaeta) em esterco bovino e bagaço de cana-de-açúcar. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 29, n. 2., p. 161-168, 1994.
AQUINO, A. M. de; DE-POLLI, H.; ASSIS, R. L. de. Globo Rural – oportunidade para levantamentos de demandas de pesquisas e difusão de tecnologias: um estudo de caso. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 34, p. 42-53, 1997.
HARTENSTEIN, R. Use of Eisenia foetida in organic recycling based on laboratory experiments. WORKSHOP ON THE ROLE OF EARTHWORMS IN THE STABILIZATION OF ORGANIC RESIDUES, 1981, Michigan. Proceedings... Michigan: Beech Leaf Press,1981. v. 1. p. 155-166.